março 26, 2012

Insegurança

Ela adoraria estar segura daquelas palavras. Queria, realmente, acreditar que tudo era verdade, queria aceitar. Mas ela não poderia fechar os olhos para não ver, tapar os ouvidos para não ouvir, fechar o coração para não sentir e nem calar a sua voz. Ela não sabia apontar o que era mais terrível. Não sabia escolher se preferia lidar com a realidade ou com a ilusão. Ela precisava de palavras verdadeiras, de um abraço. Ela estava desesperada por um amigo, mas era como se ela não tivesse ninguém...