novembro 21, 2012

Palavras de Angústia

Nascem, suavemente, as palavras de angústia. E, quando não rolam as lágrimas, desenrolam-se as linhas de um outro discurso melancólico. Quem compreenderá, com doçura, esta dor? E quem verá tão além de um olhar perdido, que fita somente o vazio da noite? Quem abraçará com ternura e exprimirá a sabedoria que há na simplicidade do silêncio? Compadece-te, querido. Dá-me o conforto de teus braços e envolve-me no afeto de tuas palavras. Livra-me da amargura desta estranha solidão...