maio 22, 2013

Desordem

Princípio de loucura, vamos tentar uma descrição. Uma descrição quase infantil, de tão cristalina. Fica mais ou menos assim: O coração dói, apertado numa caixinha fechada, que não permite a passagem do ar. Os olhos marejados desesperam-se diante do mais singelo delírio da imaginação, enquanto a consciência da realidade permanece firme e quieta em seu assento. Há aflição e medo em alguma parte central daquela cabeça pesada. E, apesar da consciência, é possível ouvir as horas correndo, rindo, zombando, sumindo, uma a uma. A solidão é inconveniente. Não foi convidada e recusa-se a ir embora. A alegria dançava boba até tropeçar num botão que desativou todas as cores. E todas as músicas. Permaneceu apenas um sentimento estranho, desagradável, invasivo, calando cruelmente as pequenas palavras de socorro que se formavam ali.