julho 11, 2015

Sem fim

Delírios da mente, que vêm e vão. Em vão.
Todos os sinais do desespero manifestam-se nela de uma vez. Medo, anseio, dores, auto-destruição, isolamento. Insegurança
Mas ela parece bem e seu sorriso é convicto. Engana-se, quase, a si mesma, ainda que enganar alguém não seja sua intenção. Pelo contrário. Seu desejo é que alguém encare o desafio de decifrá-la e, depois, explicar-lhe. Quem sabe, assim, ela recupere seu brilho, que se foi desde quando suas certezas se abalaram, um dia.