Twenty-something condition

Eu não sei se existe uma crise dos 20 anos ou se isso é coisa minha.
Ostentar um sorriso constante tem sido bem mais exaustivo que os altos e baixos de outrora, quando o desequilíbrio emocional era conhecido de todos e chorar era coisa de rotina. Dava pra responsabilizar a adolescência por essas reações antes, agora não dá mais. É que o tempo passa, e quanto mais nos parecemos com adultos, mais somos abandonados à nossa própria sorte. Chorar é atraso de vida e não dá mais tempo de ter crises.
Todo mundo está cada dia mais intolerante ou indiferente ao seu fracasso. Depois de 20 anos, todos esperam que você tenha realizado alguma coisa, qualquer coisa, para sobreviver. Já foi tempo mais que suficiente para perceber que a existência é miserável, mas que todo mundo sofre a mesma condenação e precisa se virar.
Não se deve esperar nada de ninguém, a menos que se tenha algo para oferecer em troca. Até aqui nada foi de graça: tudo foi investimento e o mundo espera uma resposta sua. A dívida é imensa e você simplesmente sente que não está pronto para pagar.
Ninguém quer gente desgastante por perto. Tudo é uma relação de trocas e o amor ideal não existe encarnado. É tudo uma série de constatações. É o produto de um desespero que parece não ter fim. Ora lágrimas, ora palavras. Dói sempre. Eu realmente não sei mais o que dizer.