Duas coisas

Há duas coisas que são incompreensíveis: a eternidade da alma miserável e a efemeridade das coisas boas.
Não há escolha quando os piores sentimentos trazem à tona as mais complexas ideias e, seguidas delas, as palavras.